Os retardatários do atraso – ou a imprensa e Serra

Acabei de ver pela primeira vez o “novo” Roda Viva, entrevistando Demétrio Magnoli. Ainda volto ao tema. Mas enqanto assistia  pensei em Serra, na TV Cultura, na nossa grande imprensa, nas bancas nos dias de hoje, na Veja, que eu já analisei tanto, Folha de S. Paulo, direita brasileira etc… E a guerra santa deles contra blogs, twitter, Lula, Dilma, a popularidade do presdente etc…
Eu não pensei sozinho não. Conversei muito com a minha irmã. “Não tenho jornal para ler. É tudo idiota, fascista, mentiroso. Eu não posso ler uma crítica justa ao governo, bem feita.”
A questão toda é essa. Nesse mês que vai até as eleições e talvez por um tempo depois, vamos ver um espetáculo muito tosco. Onde jornal é Folha de S.Paulo, revista é Veja, e intelectuais são o Reinaldo Azevedo e o Magnoli. Essas são as referências deles…
O ponto é que se não fossem tão fiéis à suas próprias naturezas – toscos (a palavra merece ser repetida), preconceituosos, isolados na sua visão de elite ou classe média arrivista e medrosa –  talvez pudessem de fato construir críticas aos aspectos negativos que existem no PT e no governo. Talvez conseguissem construir uma alternativa. Talvez conseguissem ser a oposição que querem ser. Quem sabe até cumprir uma função pública construtiva como oposição. Mas hoje o atraso no Brasil está conseguindo ser incompetente até no seu papel de ser reacionário…(essa tese de mestrado de Fabio Jammal Makhou, na PUC-SP é genial nesse sentido, ao mostrar que a tosquice da Veja em tentar derrubar Lula só fortaleceu Lula).
A mídia diz que é problema do Serra, que não parte para o confronto direto, ou do PSDB, que não fez oposição por 8 anos. Serra acha que falta apoio da mídia. O problema são sempre os outros. Não enxergam que se merecem, são espelho um do outro: toscos, avessos ao debate, a organização, incampazes de atuar no longo prazo ou construir instituições que funcionam, adeptos dos conchavos, traições e personalismos.
O que dizer de um candidato cujo “plano de governo” são dois discursos seus… E que se defende “mas eu escrevi mesmo os discursos”. Plano de governo deveria ser uma peça séria desenvolvida por gente de várias áreas em debates inteligentes, cobrindo e integrando temas complexos com propostas de políticas públicas. Não redações: “O que eu farei como presidente”, não importa quem seja o autor.
O que dizer da Folha de S.Paulo?  O que as pessoas tem que fazer para se tornarem chefes naquele ambiente? Ou na Veja? Quanto diversidade foi expulsa da imprensa no eixo Rio-São Paulo-Brasília? Eu tenho hoje dó de ver essa burrice de Merval Pereira, de Augusto Nunes, tentando achar em seus repertórios pobres, em sua cultura de salão, no meio da sua empáfia que deve ter sido muito útil  para chegarem onde chegaram, uma saída para se contrapor ao “apedeuta”, ao “analfabeto”, ou para não serem humilhados em blogs feitos por pessoas no seu tempo livre… eles ficam tentando travestir de “análise de política” tentativas desastradas de consultoria política ao PSDB. É ridículo.
O que sobrou na oposição? É importante lembrar que eles não são a elite, o capital, os poderosos, o fisiologismo, ou mesmo muitas das oligarquias. A maioria desses, os mais ponderados, sensatos, ou mais espertos no cuidar dos seus interesses também estão com a Dilma. O mercado financeiro está com o PT, o que é bizarro em muitos sentidos. Mas um dos mais interessantes é ver o que sobrou, nessa imprensa mais realista que o rei, mais tucana que os tucanos, exposto para quem quiser ver:
a burrice e o preconceito estão desnudos.
Voltemos ao Roda Viva. Tradicionalmente um espaço de debate, de entrevistas amplas que vem desde a redemocratização do país. O PSDB finalmente conseguiu destruí-lo. Por causa de uma pergunta sobre pedágios feito ao Serra, finalmente acabou sua pluralidade, diversidade e colocaram no comando a apresentadora mais perdida e rasa de toda sua história, nada pessoal contra a Marília Gabriela, é só uma pessoa completamente deslocada de onde deveria estar, para ser útil a essa imbecilidade. Dois jornalistas medalhões “caga-regras” fixos, independente de serem quem são, e até respeito o Paulo Moreira Leite, mas em plena era onde esses tipos ficam cada vez menos relevantes e patéticos…E só dois  convidados rotativos.
Como Magnoli é opositor das cotas, deram de chamar em uma dessas vagas o escritor Paulo Lins. E Paulo Lins, a certa altura, apontou o óbvio, denunciou a farsa estrutural de sua presença ali: por que ele era o único negro na mesa? E por que eles não notavam que ele era o único negro na mesa de entrevistadores, mas que entre os técnicos a proporção de negros era maior? Todos se indignaram, se ofenderam, e reagiram em uníssono contra Paulo, como se  que ele tivesse dizendo fosse racismo, depois tratando-o de forma condescendente.
Típico! Típico! Típico!
O que Paulo Lins tentou foi denunciar que sua presença ali era uma espécie de “cota racial”. Ou concessão. Para fazer o papel de negro que defende as cotas.Imagine a produção “xi, o Magnoli  ataca as cotas, mas não tem nenhum negro na bancada. Ah, vê se o Paulo Lins pode vir…”
No fim, Magnoli, talvez tenha feito forma perversamente calculada, mas provavelmente de forma incosciente, comentou as participações de todos os entrevistadores. Menos de Paulo Lins. Menos do negro que estava ali para justificar que eles não eram racistas, que não havia discriminação no debate. Para “fazer uma pose” e “dar um colorido” ao debate.
Essa gente não nota que faz essas coisas. Não nota o quanto discrimina. Não nota quanto oprime a empregada. Não nota a arrogância idiota e ignorante de São Paulo em relação ao resto do país. Não nota e não quer reconhecer o que os últimos 8 anos representaram – no campo simbólico, mas ainda mais na prática – para o Brasil. Não percebem que isso é obra de muito mais que um homem, ou partido, mas de uma trajetória do país. Preferem dizer que tudo foi conquistado por FHC, para não quebrar sua escala de valores simbólicos. Falam demais. Ouvem muito pouco. Não enxergam nada que escape aos seus preconceitos. Vão para a Europa e Estados Unidos, e não entendem porcaria nenhuma, confundem primeiro mundo com ostentação. Nesse mês  que estarão histéricos  tudo isso será ainda pior.
Não é por causa do PT, de Lula, das pessoas de esquerda que essa gente está esfarelando. É culpa da indigência mental, moral, de projeto, de relação com o Brasil  que eles tem.
Esses nossos compatriotas…pareciam imbatíveis, tão pouco tempo atrás…que decepção…Mas era de se esperar que o programa de incentivos à burrice deles fosse terminar nesse show tosco que estamos vendo nos jornais e TVs deles esses dias.

16 Comentários

Arquivado em Uncategorized

16 Respostas para “Os retardatários do atraso – ou a imprensa e Serra

  1. maria helena beozzo

    Lavei a alma lendo essa matéria. Confesso que aliviou um pouco da indignação e tristeza que me foram causadas pelo Roda Viva de ontem.Consegui ver aquele assinte até o fim, mas saí dele com vontade de gritar. Nesta página que acabo de ler não faltou nada; nela estão todos os gritos que não dei.O que alivia é a certeza que a história nos ensina ( e ensinará também essa gente) mesmo que demore um pouco) ou até um muito.

  2. miguel

    a traça que acabou de destruir o JB já está roendo o roda viva

  3. Senti nojo vendo o programa… Concordo com cada palavra aqui escrita.

  4. Heloisa Guimarães

    José Chrispiniano, excelente o seu texto, lavei minha alma também conforme comentou a Maria Helena Beozzo. Assisti a esse programa (e ao anterior com Eike Batista, onde a sra. Marília Gabriela também deu voltas pra chegar ao nosso presidente)… programa horrível, ridículo, tendencioso, preconceituoso… ruim, mesmo, sem conteúdo… o único “conteúdo” foi (é!) fazer campanha (indireta?) pra José Serra e discriminar os negros, fingindo que não. Paulo Lins foi desrespeitado, sim, a condescendência é assédio moral! Ridículos, pra dizer o mínimo, o sr. Demétrio Magnoli (com suas mentiras e empáfia), a sra. Marília Gabriela (igualmente com empáfia e perdida, tentando a todo momento direcionar a entrevista pra que se falasse mal do presidente Lula e, claro, por conseguinte, da Dilma), e ridículos, da mesma forma, os outros dois jornalistas, Paulo Moreira Leite e Augusto Nunes! Lamentável! Encaminhei um e-mail pra lá, mas não obtive resposta. Mesmo assim, vou encaminhar mais dez!

  5. Andrea

    Finalmente vejo alguém falando umas verdades sobre o Magnoli.

  6. E ainda têm coragem de acusar o governo federal de querer censurar os meios de comunicação…
    A censura quem faz é o tucanato. E faz de forma disfarçada e silenciosa. Um perigo!

  7. Pingback: Lula tira Serra pra dançar » [café]com[pão]

    • Caríssimo li seu bom artigo, e trago aqui algumas questões:
      -Será mesmo o PSDB uma oposição ao PT? Eles tem feito coisas tão parecidas, o pt continuou tanta coisa do anterior PSDB.
      -Será que é interessante um ataque tão direto?
      -Você não acha que é muito 80%? principalmente vivendo em uma sociedade que vive torcendo pela desgraça alheia? Seria esse numero tendencioso, ou feito em redutos lulistas?
      – Você não acha que essa coisa de partido já era?
      as pessoas estão votando em pessoas, não em ideias, nem ideais….(senão a Dilma teria seu próprio brilho e não o do Lula…), assim como o Pitta/Maluf; Alckmin/Covas….

  8. Marcos Fernandes Gonçalves

    Muito bom o texto e o editor apresenta a mais fiel tradução do que ocorreu no último programa Roda Viva.

    No entanto, não posso concordar com a ideia sobre a suposta “arrogância de São Paulo”. A não ser que o autor esteja se referindo a alguns políticos, ou postura política de determinados partidos, mesmo assim a forma com que a frase está colocada generaliza. Isso não é bom.

    Sou paulistano, mas, antes de tudo brasileiro.

    Grande abraço.

    • José Chrispiniano

      Você tem razão, é uma generalização, e como todas, injusta com muita gente. É que “São Paulo” acabou virando um símbolo disso pela postura de parte das classes políticas, intelectuais e jornalistas da cidade…

      Obrigado pelo comentário

  9. Relamente estou de acordo com o texto do nobre editor.
    Não gostei do novo roda viva.
    Vejam também http://www.pernadepautupa.wordpress.com

  10. Caio

    Zé, só discordo de você sobre a consciência do preconceito desses setores da sociedade. Eles sabem que discriminam sim. E se sentem bem por isso.

  11. Luiz

    Hoje, dia 12 de outubro, assisti a um documentário, na TV Câmara, sobre cotas raciais e fiquei conhecendo figuras com o Demétrio Magnoli.
    Achei que ele demonstrou uma ATITUDE COMPLETAMENTE RACISTA, ao impedir comentários da platéia no dia do lançamento do seu livro.
    Quem vive apregoando a não existencia de raças, caiu em contradição, o que pode ser visto claramente neste documentário (“caiu na própria armadilha”).

    Acho que se as cotas forem direcionadas para as camadas sociais pobres, obrigatoriamente muitos negros, pardos, cafusos, cinzas, brancos e rosas estariam incluídos, favorecendo os mais capazes.

    Não podemos esquecer de que existe RACISMO , SIM, É LATENTE E CORDIAL.

    Fiquei fã do seu trabalho, Chrispiniano.
    Vc “falou” o que eu queria ouvir, sobre tudo isso que está acontecendo no cenário político.
    Parece que o brasileiro não quer continuar a progredir…se esquece de como éramos na era do tucanato…

    Obrigado…
    Luiz (54 anos, médico, negro)

  12. Para mim continuamos uma guerra de torcidas, e parece que só existem dois times PT e PSDB.
    Fica assim uma crítica rasa, sem de fato uma contribuição política de qualidade.
    Estamos todos o tempo todo julgando a ou b, se mídia ou planalto ou aspirante a, e de forma ainda mais condescendente jogando a sujeira no canteiro alheio.
    Quando que vamos de fato ir adiante e propor mudanças?
    Uma já estou propondo, quero candidatos com ficha limpa e aptos a concorrer a cargos eletivos. Quero candidatos com vida publica, anseio social, que saiba ler e escrever (de fato) e que sejam submetidos a exame antes de candidatarem-se.
    Quanto as cotas! Oras, convenhamos, isso é um vergonha!
    Cotas sociais são até aceitáveis, mas com um mínimo de critérios para que não cheire a mais uma injustiça (como o que acontece…)!

    • José Chrispiniano

      Oi, Alexandre,
      Obrigado pela mensagem
      Você votou em candidatos com o perfil que você quer para o Legislativo e Executivo?
      Por que as cotas são uma vergonha? Vergonha para quem?
      No segundo turno não são mesmo só dois times?
      O Brasil não está indo adiante e tendo mudanças?

      • Olá José,
        * Meu voto apenas não basta, você conhece bem como se compõe as câmaras…
        * Falo de cotas raciais, como discutimos preconceito racial e criamos cotas raciais, isso não é desagregador? Se já há cotas, por as notas de corte são tão diferentes?
        * Respondeu bem dois TIMES e não são só dois partidos não, são mais e isso me aflige por que saem da discussão….mas veja:PMDB com Lula e Dilma, DEM com Serra…Temer e Índio????fora os PCdoB, PP, e outros que carregam candidatos como o Tiririca….
        * Sim está, mas como estamos participando desse processo? Só na hora das eleições?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s