Orkestra Rumpilezz e a “vingança da percussão”

Aviso: este é um texto de superlativos. Lettieres Leite e sua Orkestra Rumpilezz merecem. Para mim, é a melhor e mais importante “coisa” a acontecer na música brasileira em uns 10 anos. Simples (ou complexo) assim.

O show deles na Virada Cultural, a primeira apresentação deles em São Paulo, foi a abertura de um mundo para os (poucos) que lá estavam. Muitos músicos simplesmente choraram. Muitos.

O maestro Lettieres reuniu um grupo de percussionistas com músicos de formação jazzística ou erudita da Bahia para, a partir da riqueza rítmica do candomblé, cria música jazzística. De novo, simples assim.

Mas nada simples e tudo muito rico. Nada de uso “Paul Simon” dos ritmos baianos, nada de exótico, de orientalismos ou carlismos, de objeto. Tudo sujeito de sua própria história, e história de indivíduos livres, de músicos felizes tocando juntos e nos reatando com algo ancestral não porque é do passado, mas porque é de dentro, de todos os tempos, do futuro também.

No show da Orkestra, a percussão ocupa o centro do palco, e vem vestida de roupa de gala. Os metais a cercam, com seus músicos vestidos de bermuda e camiseta. Todos de branco. A complexidade da percussão tece melodias e solos. Os metais também fazem ritmo.

E quem inventou essa divisão? E quem inventou que a melodia e a harmonia eram “superiores” ao ritmo? Não foram os povos (europeus) que tinham melodia e harmonia, mas não tinham complexidade rítmica? Quem acreditou nessa história?

A complexidade dessa orkquestra é sinfônica. As composições de Lettieres (arranjador de Ivete Sangalo, com muito orgulho, e já vi tanto preconceito ao seu trabalho por causa disso!) são incríveis. E muitas vezes elas nos fazem dançar. E outras tantas, nos fazem voar, e baixar (os santos). É clássica ou é popular? Quem está catalogando isso?

A base e a mesma de Ilê Aye, Daniela Mercury, Olodum, e também de Ivete, Carlinhos Brown, do Chiclete e de É o Tcham! A mesma do axé que você tem preconceito. A mesma!

E ela renasce, mais pura e mais moderna ao mesmo tempo.

Lettieres deixa claro no fim em nome do que, homenageando quem, e inspirado em que nasceu seu projeto: os percussionistas da Bahia. A tradição viva nascida e mantida sagrada no candomblé, e desdobrada em ritmos e festas profanas e depois na indústria cultural, e depois na indústria da micareta (cheia de picaretas).

E “deixa eu dizer o que penso”…Não é pouco o que esta Orkestra faz. Ela questiona os preconceitos culturais e sociais que afirmam a pretensa “superioridade” da música clássica sobre a música rítmica da África.

E não é a toa que algo assim nasça do Brasil, conforme esse Brasil vai ficando em pé em suas pernas e acredita em si, meio sem que Rio e São Paulo se dêem conta da dimensão da coisa (com exceção de gente muuito esperta, como o Charles Gavin). Que nasça de músicos de diversas origens sociais com muito estudo, juntos com percuissionistas que aprenderam o ofício nas periferias, blocos e terreiros. Que isso seja indiretamente financiado pela máquina popstar de Ivete Sangalo. Que o Brasil cumpra esse papel de colocar a música da África no centro do palco e “comprar a briga” sobre seu papel.

Villa-Lobos, Moacir Santos e todos os orixás sorriem…

12 Comentários

Arquivado em música

12 Respostas para “Orkestra Rumpilezz e a “vingança da percussão”

  1. Agripino maravilha a sua análise muito sobre a Rumpilezz eu não só concordo como reintero.
    Jurema Paes

    Efeito Rumpilezz

    Aláfia significa caminhos abertos e esses são os infinitos caminhos da Orquestra Rumpilezz do maestro Leitieres Leite, caminhos abertos inclusive para os deslocamentos, dentre tantos, o estético e político. Nessa orquestra nada está separado, corpo e alma, física e metafísicamente falando. Os componentes estéticos musicais da orquestra são visivelmente mestiços e antropofágicos no sentido mais radical que a antropofagia possa apresentar, o sentido evolutivo da transformação acrescentando ai soma, retribuição, libertação e inclusão. O prazer estampado em liguagem musical na orquestra e em seus componentes musicais “está na festa da composição para a qual contribui, não no narcisismo isolado da sua especial participação competitiva”(Amálio Pinheiro – PUC SP), a orquestra contribui com a cena musical brasileira em que música, dança e pensamento não se separam, onde é possível estar vivo, ativo de corpo inteiro. A Rumpilezz é celebração, devoção e libertação, põe o corpo e mente pra pensar e dançar, ela reluz em pensamento mestiço, onde possíveis áfricas em diáspora se encontram.
    A Rumpilezz propõe reflexão ao seu estado Bahia enquanto marca publicitária e política enquanto discurso turístico, ela propõe sustentabilidade, ela propõe que se repensem as estratégias e os discursos miméticos, ela chama a atenção para o entorno, para o húmus que continua vivo ainda lá, traz em linguagem estético musical o check mate do em aberto, do democrático, do auto-sustentável e inclusivo, faz uso sincado do termo diversidade pois o utiliza em seu processo contributivo e educativo e não apenas em um processo ilustrativo e decorativo. A Rumpilezz dignifica, é matéria prima para o solo e não vassoura de bruxa, é uma força orgânica da natureza, por isso ela também se faz útil para o pensamento reflexivo de novas políticas culturais, discursos e comportamentos, é epicentro que pode ser referência viral para outras instâncias da sociedade causando deslocamentos. Esse talvez seja o “efeito Rumpilezz”.

    • Rumpilezz traz nas suas entranhas o Amor à música.
      Acompanhei de perto o processo evolutivo de todo o trabalho do maestro e amigo Letieres Leite e sei o quanto lutou para expor suas idéias ritmicas, harmônicas e melódicas ao mundo. A Rumpilezz traduz a história da música negra nascida na África e estilizada na Bahia (através do Rum, Rumpi e Le, instrumentos usados nas claves ritmicas dos rituais de candomblé) e nos EUA (pelos negros americanos que se reuniam para improvisar após a meia-noite, jazz after midnight-JAM). Letieres, além de ter estudado sax, flauta e orquestração na europa, também estudou, pesquisou e transpirou os ritmos afro-baianos para fazer fluir a complexidade das harmonias e melodias dos instrumentos de sopro sobre a alegria contagiante dos instrumentos percussivos. Além disso, selecionou músicos do mais alto quilate de Salvador (que amam, sobretudo, a música) para compor uma das mais belas páginas da história da Música Popular Brasileira.
      Viva a Rumpilezz, Viva a Bahia, Viva Letieres Leite!!!

  2. só para dizer que acho a orkestra talentosamente adorável!!!

  3. alguns detalhes:

    1) Carlinhso Brown não faz nem nunca fez axé-music, e sim axé-xirê. Ele e a Timbalada sempre se opuseram, na prática, ao axé-sistem que privatiza a rua e vende abadá;

    2) É O Tchan não é axé-music. É pagodão. O pagodão também sofreu com a dominação monopolista e plutocrata do axé, tanto quanto o rock. E merece respeito por isso;

    3) Ilê Ayê e Olodum não fazem axé music. Fazem samba-reggae e o primeiro, às vezes, ijexá.

    de resto é isso aí: a Rumpilezz é a Bahia a plenos-pulmões.

  4. Mara Dias Pires

    Quero registrar também o meu respeito e a minha admiração pelo maestro Leitieres, pelos músicos da Orkestra e pela música.
    Rumpillez – um orgulho nacional.

    Viva a música brasileira!!

  5. Nicolau Rios

    O Rumpilez é uma das manifestações mais brilhante que aconteceu na bahia depois do acordes verdes, realmente o maestro leite é um génio sem limites – a bahia se orgulha de ser a mãe dessa maravilha .. será essa a nova tendencia do axé music?

    Vida longa maestro

    Nicolau Rios seu humilde admirador

  6. Tito Bahiense

    Faço côro ao que se fala pelos quatro ventos por aí afora que a rumpilezz do Maestro Leitires Leite, como bem coloca nossa Jurema Paes, é: “um epicentro viral que pode causar deslocamentos…”
    Acredito na forca intelectual que a coisas tem quando cumpridas ao seu devido valor utilizadas de tal forma buscando um denominador comum em inspiração, vivência e estudo. E se esta tal de Rumpilezz é isso tudo que sei que é…Então, salve o prazer de uma Novíssima Maré!!!! Viva o povo da Cidade da Bahia!!!!! Axé!

  7. Eu já sabia!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Fiquei e ainda estou emocionado com a análise , se é que podemos analisar tal feito, desse redator que eu não sei o nome porque não consta nos créditos, mas, como ele disse, é superlativo mesmo, sem exagero algum. !!!VIVA A RUMPILEZZ!!! Se existe a perfeição Letieres e a Orkestra Rumpilezz estão bem próximos. Sou guitarrista, baiano e me orgulho de ter á minha disposição para ver, ouvir, e estudar trabalhos como esse, sem sair de casa.

  8. A inacreditável Orkestra Rumpilezz vem para desconcertar, construir, desconstruir e emocionar, de verdade. Viva o maestro Letieres Leite! Viva a Rumpilezz e seus músicos! Viva a Bahia! Axé!

  9. Tem lugar pra um “roadie” aí Leite?rsrs
    Como diria o mestre Anunciação; “Não faria melhor”… Nossa geração precisava de uma Orquestra assim. A Rumpilezz nos enche de orgulho! Nosso Santo fez milagre! Axé!

  10. A todos,

    Obrigado pelos comentários e elogios. Recebo todos como um forte abraço.

    Agradeço o apoio à este trabalho, que tem como objetivo maior homenagear o incrível Universso Percussivo Baiano e, é claro, os percussionistas da Bahia.

    Forte Axé a todos!

    P.s.: Querido Ivan, a sua vaga está sempre garantida. Pode vir fazer a audição para roadie! rsrs

  11. Pingback: Bahia, retropicalista | Sobre as pernas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s