Porque eu me cansei da política Soninha

Fazia tempo que eu estava me segurando para escrever sobre a Soninha…Ela é um assunto complicado para mim por uma contradição fundamental. Conheço-a faz muito tempo, e gosto muito dela, a acho uma pessoa incrível. Muito melhor do que eu sou, engajada, por isso é difícil criticá-la…Mas a acho politicamente equivocada. E acontece dela faz algum tempo ser política…e cada vez mais ser só política e cada vez mais equivocada…

Dessa contradição nasce este texto, e por isso ele ser tão extenso e ter esta estrutura: primeiro falo da minha admiração pessoal por ela, para a partir daí transmitir minha irritação e frustração com a sua trajetória política. Espero que o formato dê conta. Tratar, uma parte de cada vez, dois aspectos que não tenho como separar ao escrever sobre ela.

Então, vamos lá, os antecendentes antes dos finalmentes.

Pessoal

Conheci a Soninha 13 anos atrás, quando ela e minha irmã trabalhavam na MTV. Nesses anos todos ela passou a ser uma amiga e pessoa querida não só dela, como da família, uma pessoa muito legal. Em 2002, quando meu pai morreu, Soninha, que ainda não tinha nada a ver com política, fez companhia para a minha mãe por longas horas na madrugada do velório, quando todos nós estávamos derrubados. É o tipo de coisa generosa, em uma noite no meio da semana, sem nada em troca que não se pode esquecer nunca.

Quando a Época fez aquela cafajestada com ela, colocando uma pessoa responsável como “maconheira” em sua capa, minha mãe se indignou. Porque ela sabia que a “maconheira” era uma pessoa amável, que trabalhava muito e era muito generosa. Ali minha mãe viu que havia pessoas que consumiam eventualmente maconha, mas que eram sérias e que aquilo não afetava a vida dela. Acho que minha mãe deve ter sido a única pessoa que entendeu justamente o que a Soninha queria dizer quando se expôs daquele jeito, superando o preconceito contra usuários de maconha.

A Soninha sempre foi uma pessoa cheia de energia que diante de um desafio, se lança nele muito mais do que recua. Eu sou um que prefere quase sempre dar um passo atrás. Eu ainda acredito na sua sinceridade e honestidade na política. E realmente acredito que ela está tentando fazer o que acha certo. O que torna tudo mais complicado, mas também mais interessante.

Política parte 1 – Historinha…

Não sei se isso me dá mais ou menos autoridade para falar desse assunto…Mas em 2003, quando soube que Soninha seria candidata à vereadora de São Paulo pelo PT, eu lhe escrevi um longo e-mail aconselhando ela a NÃO se candidatar. Trabalhava na Câmara na época, e o que eu disse é que o PT era complicado, que o ambiente da câmara era podre, que o PT tinha problemas etc…Por conta disso eu me afastei do meu pequeno papel na política. Ela caiu dentro.

Em 2004 fez campanha com estrelinha vermelha e “Marta Prefeita” e foi muito bem votada. Mas a Marta em si não se elegeu. E Soninha foi ser oposição à prefeitura dentro de uma muy complicada bancada do PT municipal. E aí reside a primeira ironia…para a cúpula do partido e certamente para a própria Marta, um dos aspectos interessantes da candidatura Soninha era minar votos do “PT Vila Madalena” que era uma parte relevante da “bancadinha”, a ala mais independente da bancada do PT (estou falando de Nabil Bonduki, Tita Dias e Carlos Neder, e mais alguns outros). Nesse desenho, Soninha, “jovem e ingênua”, roubaria votos deles, ampliando a bancada do PT mais submissa ao executivo no segundo mandato de Marta. Tita, Nabil e Neder não se elegeram, mas não teve segundo mandato de Marta e a Câmara, e a própria Soninha, sofreram, principalmente sem Nabil e Neder, dois políticos muito qualificados, no legislativo…

Nos quatro anos de Soninha na Câmara estava afastado da política…Nunca pisei no gabinete dela, e fiquei nos meus trabalhinhos…Acompanhava as notícias, como ela se relacionava com ONGs, tinha iniciativas legais, comunicava as bizarrices da Câmara e comprava brigas homéricas contra os maus hábitos da casa. Um bom mandato.

Política parte 2 – o caldo começa a entornar

As coisas começam a ficar estranhas quando pouco depois de um ano de mandato ela tenta sair candidata a deputada federal. Rola uma ansiedade, uma falta de compromisso, uma ambição estranha…Acho que muita gente sente o mesmo…porque ela não se elege…é tipo um “fica aí Soninha, você é importante na cidade…”

Aí vem 2005 e a crise do mensalão…E as falhas do PT e das suas relações com os partidos aliados ficam expostas…

Antes disso já rolava uma relação próxima da Soninha com o executivo. Ela “convence” Serra a construir novos Centros de Educação Unificados (os CEUs). E ajuda na indicação de Carlos Augusto Calil (pessoa fantástica), que foi nomeado para o Centro Cultural Vergueiro na época da Marta, para secretário de Cultura do Município. Tudo bem…Mas sinceramente…O buraco é mais embaixo. O primeiro governo municipal “mezzo Serra/mezzo Kassab” foi muito esperto em não bater de frente com o que Marta havia construído na prefeitura…Muita gente de confiança seguiu nos seus cargos, muitos programas continuaram…E muito hipócrita também, para quem lembra como eles bateram nos CEUs, transformarem os CEUs “de segunda” que fizeram em bandeira política. E finalmente foram muito hábeis em fazer um governo “sub-Marta”, mantendo marcas dela, sinceramente melhorando algumas áreas, mas não avançando em mudanças estruturais como corredores, investimentos na periferia e habitação popular (inclsuive no Centro) e Renda Cidadã, e regredindo no transporte público e nas relações internacionais da cidade. E tirando o Cidade Limpa, inovando necas….Mataram o Orçamento Participativo, o Renda Cidadã, não avançaram no Conselho de Representantes e Coleta Seletiva…Isso tudo enquanto tinha um orçamento muito maior do que a Marta e uma máquina pública muito melhor do que a que ela herdou após Pitta/Maluf. Foi a estratégia deles. Não foi Soninha que os convenceu disso. Soninha se encaixou nessa estratégia.

A soma de um, sei lá, “fascínio”com o poder do Executivo com a pressão sobre o PT em 2005 (que visava derrotar Lula em 2006), com os problemas do PT municipal, mais o convite a ser candidata a prefeita pelo PPS (e aí a coragem de se lançar em desafios que admiro nela fica difícil de separar da precipitação e equívoco que vejo nos seus erros políticos), tudo isso soma para que ela saia do PT. E seja candidata a prefeita pelo PPS. Hoje eu acho que o José Serra estava por trás dessa oferta de legenda que o PPS fez para ela. Não tenho nenhum dado ou informação, mas é algo que acho, até porque esta operação PV/Marina é parecida demais, e coincidência demais…enfim…tende a não ser coincidência. Mas Soninha poderia estar na busca da trajetória dela, como acho que está a Marina. Tipo “desejo que seja feliz nesse novo caminho”, sabe?

Está certo que o PPS merece um parágrafo (merece é um texto inteiro…). É na minha opinião o partido mais equivocado do cenário político nacional…Por que quão maluco é um partido que acha que critica o governo do PT pela esquerda, ou seja, que as “reformas”, o DEM e principalmente o PSDB são um projeto mais “digno” do ex-PCB, de sua herança comunista, do que apoiar o governo Lula? A inveja que o Roberto Freire deve sentir do PT e de Lula, ele que lá atrás achou que não ia dar certo, ele que aderiu de forma tão entusiasmada ao Fernando Henrique Cardoso e ao projeto neoliberal…Coisa de maluco mesmo…E acabou assim, como a mais absoluta legenda auxiliar do PSDB (sei lá porque não se fundem logo…), e com seu líder irrelevante com um discurso de ocasião e sem fundamento…

Enfim…Soninha passou a se posicionar errado no fundamental plano nacional do embate entre o governo Lula e o PT (e seus aliados, muitos deles nojentos, como o Sarney, e de ocasião) X PSDB+DEM+PPS (prontos a receberem a turma de ocasião e com seus nojentos, como Quércia).  Ela não saiu do PT para criticá-lo pela esquerda, entende…E aliás, acho talvez que ela nem acredita neste tipo de divisão/embate. Sabe luta de classes, sindicatos X empresas, entreguistas x interesse nacional…é nessas que a “nova” política assume o papel de inocente útil…Porque a direita o odeia, mas nunca deixa de usar para consumo interno quando lhe interessa as brilhantes análises daquele velho barbudo que gostava da cor vermelha…E não, não é do Papai Noel que estou falando…

Mas voltando…No primeiro turno de 2008, Soninha fez uma campanha discutindo temas importantes para a cidade, do jeito dela. Segui defendendo-a como pessoa de amigos que a criticavam, apesar de não apoiá-la mais politicamente…E tudo bem em 2008 ela não defender a candidata dela em 2004, se ela estava defendendo diretamente uma visão dela que devia achar melhor que a da Marta em 2004.

Política parte 3 – “Aqui nos separamos…”

O problema começa mesmo em algo estranho no discurso e postura nos debates, como se Marta fosse pior que Kassab, e evolui feio no segundo turno. Soninha diz que vai sumir, que não vai apoiar ninguém. Mas nitidamente este “ninguém” é mais um contra Marta e só um silêncio em relação a Kassab. Na prática e nas declarações, Soninha está apoiando o Kassab. E isso é bizarro, porque e naquela eleição quem prestasse atenção notaria isso, Kassab defendia um governo “sub-Marta”, isso mesmo arrecadando muito, mas muito mais dinheiro que ela (e a ironia cruel de Marta ser chamada de “Martaxa”, mesmo com a arrecadação da prefeitura tendo subido muito mais que a economia da cidade, ou seja, com Kassab aumentando a carga tributária, não deve ter escapado aos canalhas). Vou escrever algo aqui que já escrevi nesse blog: Marta é rejeitada acima de tudo pelos seus próprios erros e alguns membros do lado escuro da força que a rodeiam, ou rodeavam. Mas para mim não fazia sentido político algum Soninha, tendo apoiado Marta em 2004, apoiar Kassab em 2008. Se ainda tivesse de fato ficado neutra, escapava de fazer besteira e se mantinha coerente…Não dava um tapa na cara naqueles que votaram nela quando o que aparecia na maquininha ao lado da foto dela era o 13…

E aí vem o pior…o fim da picada…Soninha aceita um cargo, ou como dizem muitos “CARGUINHO”, de Subprefeita da Lapa na gestão Kassab. Ou seja, passa a referendar, apoiar e se subordinar a esta gestão do ex-PFL, de um ex-malufista.

Pausa: não existe obrigatoriamente algo de vergonhoso em exercer uma função pública na gestão Kassab. O já citado Calil, por exemplo, acho que ele faz o que sempre fez, está no “partido da cultura” como ele diz. É possível executar funções públicas, de estado, dentro de certas condições, mesmo em uma administração com a qual não se identifique, de um partido que defende um ideário diferente do seu. Isso não vale para mim, mas admito que para outros sim…Também não há nada de desonroso e menor no cargo em si, em ser Subprefeito da Lapa. Aliás, moro na jurisdição dessa Subprefeitura, deve ser um trabalho duro, e Soninha deve tentar exercê-lo da melhor forma possível e eu tenho todo o interesse nisso. Para a região onde vivo, antes ela lá que alguém pior.

Mas veja bem…foi um tapa na cara de quem sempre a defendeu que a Soninha tenha aceitado este cargo. Porque foi uma contradição com o discurso dela, com a postura dela, e com o que ela defendia para a cidade. E aí está uma coisa interessante…os políticos de hoje parecem não entender a relação entre cargo e militância política…Se a Marta tivesse ficado e lutado pelo seu legado, contra as difamações e apropriações hipócritas das políticas públicas do seu governo, teria feito um bem para a cidade e para sua carreira política muito maior do que ocupando cargo por ter “máquina” em Brasília (quem acha que adianta algo em campanha em São Paulo ter sido ministra do Turismo…). Soninha perdeu a coerência quando ao invés de lutar por “outra forma de fazer política” se submeteu a um carguinho. Passou a baixar a cabeça para o segundo mandato do Kassab, quando ele começa a revelar sua alma malufista, e pior, defender absurdos totalmente contraditórios com suas ideais como a “Nova” Marginal, ou comandar Guardinha Municipal para cima do pobre do ambulante que vende CD Pirata…

E cada vez mais Soninha deixa claro que é a cara, o orgulho, a voz e discurso de um PPS parte do “Bloco Democrático Reformista” da Oposição para disputar as eleições de 2010. Ou seja, que esta do lado do DEM e do PSDB, com Serra, para retomar as “Reformas” (privatizações, perda de direitos trabalhistas e dos aposentados) é melhor do que estar com a continuidade do governo Lula. Isso mesmo após o “massacre” que o molusco aplicou em FHC, e com a tremenda melhora da qualidade de vida das classes mais baixas, das perspectivas do país, de sua inserção no cenário internacional, e da sua atuação na proteção de governos de esquerda em países da região (Bolívia, Venezuela, Paraguai e agora Honduras).

Soninha também está começando a verbalizar coisas que a aproximam de uma tendência que está surgindo por aí (prestem atenção) que acho bizarra…pessoas que usam o discurso ambiental contra o desenvolvimento de país para disfarçar um incômodo com a ascensão das classes C e D ao mundo do consumo…Gente que usa o ambientalismo para disfarçar preconceitos sociais e disputa de classes…É bem sutil (o movimento contra carros, por exemplo, não cai nessa roubada)…Mas preste atenção que tu vai ver…Não é fácil separar de ambientalistas legais…e muitos dos dois grupos estão embarcando na candidatura da Marina Silva…mas repare bem…

Então, se a Soninha se irrita quando o Paulo Henrique Amorim a chama de traíra, ou quando ela diz no Twitter que as pessoas a acham “no mínimo, desprezível” por ter saído do PT…Bem o Paulo Henrique Amorim não é exemplo de nada, é um Reinaldo Azevedo menos parnasiano e de sinal trocado…pelo sinal trocado acerta de vez em quando (até o Azedo vez por outra se distrai e solta uma verdade), mas é grosso, deselegante e enfim…Agora quem votou nela ou apoiou ou a defendeu quando ainda era “13”, se estes acham que ela os traiu estão no seu direito. Assim como de achar que esta fazendo besteira e o pior para o país quando passa a apoiar o Serra contra a Dilma ano que vem….É o preço de ter mudado de ideia e/ou lado.

Repare, ninguém chama a Heloísa Helena, o Ivan Valente, ou outros do PSOL de traíras por terem saído (ou sido expulsos) do PT… Eles se mantiveram a esquerda. Mesmo a Marina Silva ainda não está claro o que vai sair disso.

Eu não acho a Soninha “no mínimo, desprezível”. Acho-a uma pessoa incrível, mesmo que profundamente equivocada do embate político que se dá no país, na posição errada. Podia estar na oposição, mas não do lado de quem está…mas enfim…direito dela. É a vida e a democracia.

Da minha parte, que bom que desabafei….e chega de segui-la no Twitter…Onde tive que resistir a tentação de responder algo que (ufa, podem ver) levou muito mais que 140 caracteres para explicar…

24 Comentários

Arquivado em Uncategorized

24 Respostas para “Porque eu me cansei da política Soninha

  1. pois é… Boa e calma reflexão. O pior de tudo é a sensação de que depois de anunciarem a morte da História e dos partidos, pede-se o fim da política.

    Político agora virou “gerente” revestido de marketing, como se por trás não houvessem disputas POLÍTICAS de projetos ou interesses (legítimos ou não, quem sou eu pra julgar?)

    A Soninha-política está longe desse perfil gerente-marketing, mas de fato não dá pra deixar de notar a função de “inocente útil”.

    Anestesiados que estamos, aceitamos que impulsos e iniciativas “inocentes” levem pro buraco tanta gente boa, porque “tem que ser agora”, “custe o que custar”, “basta acreditar”.

    Os projetos políticos existem, a disputa pelo poder também. Pra que fingir que isso não existe? Pra que fingir que todo mundo acredita no bem comum se não há o mínimo debate sober o que seria este tal bem comum? princípios vagos? Não serve…

    E achei legal você ter citado o movimento “ambiental” e sua ameaça iminente. Não há pureza também não e o que eu assisto é cada vez mais iniciativas BRUTAIS de diversionismo (inclusive no tal movimento “anti-carro” ou em parte dele), de salvação por promessas futuras sem tratar dos problemas do presente.

    Tô pra escrever sobre o papel desse “ambientalismo” no Dia Sem Carro. Foi assustador. Por sorte, ainda existe “massa crítica” ao redor, ainda existem pessoas que não dependem de salários de suas instituições “ambientais” para levar ações adiante, entre elas algumas com um mínimo de senso POLÍTICO e alguma disposição para agir. E como a boçalidade impera, qualquer mínima ação já reverbera.

    E que a sua velha amiga (e minha conhecida) Soninha encontre mais tranquilidade para construir algum projeto político para além da pobre política-eleitoral-marketeira que assola este país.

    • José Chrispiniano

      Oi, Beni,

      Valeu o comentário…Eu acho até que tem gente legal atuando espalhada em muitos lugares, dentro das contradições entre a política eleitoreira, e uma certa burocracia de ONG…
      Mas espero a mesma coisa

      • Sim, sem dúvida. “Pesei a mão” no comentário e depois pensando “vixi, que cagada”. A questão do ambientalismo (da política ou de qualquer outra coisa) não é o fato das pessoas estarem recebendo por isso ou não. De fato não tenho absolutamente nada contra a remuneração pelo trabalho (aliás, sou bem favorável a isso).

        A questão é perceber como essas estruturas se movem, como elas sufocam pautas de interesse geral com suas pautas específicas, como distanciam e dificultam a transmissão de informações criando uma baita cortina de fumaça em torno de alguns temas.

  2. Cara, ótimo texto. E acho foda você se abrir dessa forma, colocar a relação próxima que tem com a Soninha etc etc. Tem um pouco de ironia no que vou colocar aqui, mas várias passagens me lembraram a peça do Brecht A Alma Boa de Setsuan. Brecht aliás, comunista, provavelmente cagaria e andaria pra Soninha (a inocente útil por natureza) e o PPS (os picaretas por natureza, desde suas raízes soviéticas em 22 e stalinistas logo adiante).

    Eu fiquei muito, mas muito eniojado com o papel dessa subprefeita no horário político do PPS na TV. Se ela é essa “alma boa” que transparece no texto eu não sei, porque ali não é mais inocência não: é manipulação descarada de fatos, dados, ideais e manufaturação de consenso.

    Ok, ok, fico aqui com minhas idiossincrasias de alguém que acha possível recuperar o melhor do movimento anticapitalista e do ‘espírito de Seattle’ e acho tenebroso esse discurso ambientalista classista. E é aquilo que você diz: a Soninha não acreditar em luta de classes etc etc, não diz nada sobre a realidade nua, crua e cartesiana – diz sobre a falta de clareza de pensamento e propósitos dela, porque os capos do PSDB e do PPS podem nãio instrumentalizar isso em luta política, mas que pesam na balança na hora de fazerem seus joguetes gramscianos, ah, isso pesa sim.

    • José Chrispiniano

      Oi, Arthur,

      Valeu o comentário e também os no twitter…O “gatilho” desse texto foi esse horário político, ouvir aquilo no rádio e ficar encucado…Jungmann, Freire, o Serra, o Aécio e o Gabeira no horário deles…
      O Freire gagejava em seu próprio horário eleitoral para “se explicar” do país ter escapado da crise, ele que achava que o governo ia dançar nessa…

      Cara Seattle vai fazer 10 anos mês que vem…mesmo mês dos 20 anos da queda muro…estes novembros de ano em 09 costumam a aprontar…

  3. Oi Zé, em primeiro lugar parabéns pelo texto. Além de tudo, é um baita apanhado da história administrativa recente da cidade. O que eu acho engraçado é que a Soninha tem se tornado cada vez mais azeda em um discurso anti-PT que me irrita muito. Antes o tom era sobre o que o partido se tornou, agora, ela tb reclama pelo jeito do PT ser em geral, faz piada e tudo mais.
    É engraçado que ela prefira uma administração que em pouco difere a administração Pitta e a um governo completamente tomado pela máquina quercista (Aloysio Nunes, Goldman, todos ex-comunistas que aderiram ao Quércia e depois aos encantos do príncipe dos sociólogos).
    O pior é que também adere ao discurso menos politizado do mundo. Prefere falar de fofocas e implicâncias e pouco trata das políticas federais com um mínimo de consequência. Eu gostaria muito que ela fizesse esse discurso anti-pré sal na campanha do Serra por exemplo.
    Mas o que assusta mesmo é a falta de perspectiva política em tudo que fala. É da administração Kassab mas se porta como a subprefeitura fosse uma ONG. É bom lembrar que na Lapa também não há nada de criativo e novo sendo gerado. O máximo que ouvimos é um discurso ambiental de dez anos atrás.

  4. Eu também não acredito na luta de classes, pois não podemos mais identificar claramente “burguesia” e “proletariado”.

    Há, sim, esquerda e direita. Porém, não existe mais purismo ideológico.

    Há, sim, excluídos e privilegiados demais. Há, sim, coronelismo, paternalismo, oportunismo, oligarquias.

    O conflito é fragmentado em infinitas frentes. Cada causa deve ser combatida pela adesão de redes sociais com interesses semelhantes, porém de maneira não-institucionalizada, não-hierarquizada e auto-organizada. É preciso pensar em rede, não mais de um modo verticalizado onde a única decisão e a única atitude possível é a que for definida por uma “autoridade”.

    Deixo uma dica de como passar a pensar a política daqui pra frente: http://www.trezentos.blog.br/?p=2193

    Pra terminar, o PPS gaúcho é tão podre quanto o paulista. E ele se presta para os mesmos interesses. Diria que temos aqui também a nossa Soninha Francine, que é a Manuela D’Ávila. O processo da candidatura dela à prefeitura em 2008 foi idêntico ao da Soninha, apesar de ela ser do PC do B e de estar no Governo Lula em Brasília.

    []’s,
    Hélio Sassen Paz
    M.S. em Comunicação
    Porto Alegre/RS

    • Assinando embaixo dos primeiros (e também dos últimos) parágrafos do Hélio.

      • José Chrispiniano

        Oi, Hélio,

        O Slavoj Zizek fala em uma nova luta de classes, entre as classes “simbólicas” (aqueles que produzem linguagem, saber, cultura, mídia, gestão) e os totalmente excluídos, uma espécie de novo lúmpen que sobrevive e se auto-organiza quase que fora do sistema, isolado em bairros, países, regiões completamente abandonadas, sem possibilidade de integração.
        A primeira vez que li isso achei bobagem. Mas cada dia que passa vejo mais sentido nisso…

  5. Só + uma informação:

    Hj, às 08h da manhã, ela estava vistoriando a futura ciclovia da Marginal, na z. sul de SP. Detalhe: nesse horário, deveria estar na sub-prefeitura da Lapa, bairro da z.oeste de SP.
    A pergunta que fica, quem devolverá os valores, das horas não trabalhadas para a cidade?

  6. “..Porque a direita o odeia, mas nunca deixa de usar para consumo interno .. ” achei ótimo isso; é o que vemos de forma recorrente.

    Muito bom, me ajudou a entender coisas que aqui de longe nao compreendia.

    Boa sorte a todos nós.
    []s

  7. Quer dizer que uma pessoa que você considera incrível e cheia de qualidades passa a ser “profundamente equivocada” só porque se afastou do PT pelo lado direito? Se tivesse saído pelo lado esquerdo, aí tudo bem?

    • José Chrispiniano

      “Profundamente equivocada” no campo político é o que o texto delimita bem. Sim, apoiando hoje quem ela apoia, é isso que eu acho, foi isso que eu disse e expliquei minhas razões, que são mais detalhadas do que “só porque se afastou do PT pelo lado direito”. Isso está no texto.

  8. Zé,

    Que pena eu ter lido isso agora, muito na correria, e não poder conversar com mais calma. Mas vou te dizer algumas coisas, apenas (e responder tb a alguns comentários): sou Subprefeita porque quero fazer tudo, tudo o que eu puder para mudar o mundo. Azar se soar ridículo… Não é um “carguinho”, é uma função na Administração Pública. Que eu procuro exercer da melhor maneira possível, com muito desgosto às vezes, muitas frustrações, muito sacrifício mas algumas conquistas ótimas. O prefeito é do DEM, mas é (beeem) menos direitoso do que muitos aliados do governo federal – ex-arena, ex-pefelê… O debate precisa ser menos estreito do que “nós da esquerda” X “eles da direita”… Eu não trabalho para o DEM, nem o prefeito deve trabalhar para o seu partido, mas para a prefeitura… Enfim, sei que para você chegar a esse ponto, digamos, de “romper” comigo, é porque não adianta muito discutir, argumentar. Algumas coisas incomodam mais do que outras – dizerem que eu não tenho discurso “político”, mas deixa pra lá. Em todo caso, estou na oposição ao PT sim, não tenho quase nenhuma afinidade com o PSOL (e não é por ser “de esquerda”… É, como disse no Twitter, pelas velhas palavras de ordem raivosas, de que já não gosto mais; de um simplismo de bem X mal que não suporto). Não sou tucana, não sou DEM, mas estamos juntos na oposição ao governo no ano que vem. Assim como não era PTB, nem PL, mas marchei ao lado deles para eleger o Lula contra o candidato do governo… Alianças não são podres em si, mas em função do que empenham e do que sacrificam. Uma aliança fisiológica com um partido de esquerda é horrível. E acho meio patrulheiro dizer que a gente pode sair do PT sim, mas desde que vá para um partido de oposição “autorizado” pelos críticos. E, de preferência, um partido que odeie os tucanos mais do que tudo no mundo… Eu era PT e odiava o ódio ao PT; eu saí do PT e odeio o ódio a tudo que não é PT (a menos que seja mais raivoso e, por isso, “mais esquerda”).
    Sobre estar às 8 na Marginal Pinheiros – não deixa de ser parte do meu trabalho na Adm. Pública, mas não se preocupe, meu horário de saída vai muito além das 6 da tarde, sem falar nos sábados e domingos…
    Abração

    • José Chrispiniano

      Oi Soninha,

      Obrigado pela mensagem e pela atenção, espero que consiga ler o texto com calma se valer a pena, sei da correria.
      Entendo a falta de afinidade com o PSOL. Também não tenho muita, apesar de pessoas muito boas estarem lá, e votar sempre no Ivan Valente, com orgulho. Isso não ficou claro no texto.
      Mas muito do que você diz aí deve ser dos comentários porque no texto deixo claro que a questão não é só ir para o PPS, apesar de não gostar do partido, assim como a questão da função na Administração Pública.
      Longe também a questão do bem e o mal na disputa PT X PSDB, afinal começo o texto dizendo que achava que você se metia em uma roubada quando se candidatou em 2004 pelo PT…
      As coisas mudam, os dois partidos tem milhões de canais de comunicação, há gente séria e picareta dos dois lados e em outros partidos também etc…. Por exemplo, o João Sayad, perseguido pelo PSDB como mentor das “Martaxas”, parte por política e como função de oposição, parte injustamente, hoje é secretário da Cultura do Serra. E o PT fez uma cafajestada com a Luiza Erundina, por exemplo (pena que não existiu a chapa Marta e Erundina em 2008, seria bonito e uma redenção disso…e pensar que foi o PSB que não fez isso acontecer…).
      Mas veja, você fala de marchar em 2002 com Lula contra o candidato do governo. Que era quem? O José Serra. E em 2010 você vai marchar com a os tucanos e o DEM contra a candidata do governo Lula para tentar eleger quem? José Serra (provavelmente). Eu acompanhei os dois governos de FHC e do Lula, o da Marta aqui, a prefeitura Serra/Kassab, os vários governos tucanos em São Paulo, inclusive o atual do Serra. E não vejo razões suficientes para mudança de lado nessa disputa.
      Boa sorte e eu espero conseguir tomar vergonha nessa minha cara e ter 1% do seu engajamento em causas públicas.
      Abração

  9. Apenas complementando/respondendo/corrigindo: não sei se a parte do “discurso político” era em relação ao meu comentário lá de cima (ou se eu viajei).

    Se era, não falei em discurso nem falei que você não tem. Falava de projeto e acredito que você tenha ambos (discurso e projeto <- isso não é uma cosia pronta e acabada). Apenas desejei sorte para a construção de um projeto/caminho que vá além, que consiga realmente sair "da pobre política-eleitoral-marketeira que assola este país", caminho do qual eu sinceramente acho que algumas vezes você se distancia/gasta energia (não para mim, não como pessoa, mas como figura política) com uma particpação "inocente útil" em algumas disputas/ofensivas de setores/projetos extremamente reacionários (sim, eles existem) da/para a sociedade paulistana.

    E só entrei tanto na conversa pois talvez o "cansaço" do Zé com "a política" Soninha e a análise que ele fez tenham colocado no papel algumas coisas que também sinto (não pelo PT ou anti-PT, esse debate nunca foi o meu).

    Acredito que "direita e esquerda", "progressista e reacionário" são termos que não desapareceram. O que desapareceu é a associação direta do partido A ou B com um ou com outro (especialmente quando todos entram na corrida pela disputa do Grande Cofre Nacional). O que nunca houve (ainda que muitos tenham acreditado) é que um fosse sinônimo de honestidade e transigência e o outro não.

    Desejo sorte à pessoa Soninha, como já desejei antes. Mas a cada avanço (nítido, claro, explícito, ainda que multi-focal) das forças reacionárias sobre a cidade, fico mais assustado em ver como é brutal (ainda que sutil) a resposta a qualquer tipo de dissenso e o enquadramento do pensamento. E de novo, isso quer dizer dizer "boa sorte", principalmente porque acredito que existe sim um projeto reacionário que (sempre existiu e) está a todo vapor na cidade de São Paulo (algumas vezes apenas reagindo à avanços que podiam ser bem maiores, outras cortando mesmo as asas de qualquer avanço).

    E aos dois (Zé e Soninha), desculpem ter entrado tanto na conversa. Culpa do torcicolo, que não me deixou ir na Marginal hoje e me fez ver essa postagem logo cedo.

    Abraços

  10. patrulha

    hahaha. tomou um tapão da soninha. massa =)

  11. Pingback: Os deputados anti-democráticos « O blog do Guaciara

  12. Fabio

    Caí neste blog meio que de páraquedas, navegando pela internet. Mas veio a calhar, pq acho uma lástima essa Soninha. Até hj estou esperando a explicaçao em seu blog (dela) sobre a descomunal diferença entre sua declaraçao de IR e a quantia endereçada à sua campanha para deputada federal. Hj, talvez, essa diferença nao seja assim tao grande, pq vida pública traz “muitos benefícios”. E, esse discursinho de “gente engajada” nas causas sociais e ambientais geralmente nao se coaduna com as suas atitudes práticas e com a ânsia pelos cargos maiores.
    Enfim, nessa nao voto nem que seja a única candidata.

  13. Christian Goes

    E o discurso da Soninha está cada vez pior, haja vista o tom do ultimo texto que escreveu em seu blog. Está perdidinha.

    http://gabinetesoninha.blogspot.com/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s