A morte do rei da Sessão da Tarde

John Hughes não era um diretor de cinema de nome tão familiar como Martin Scorcese, Francis Ford Coppola ou Woody Allen. Seus filmes eram bem mais simples, não tão marcantes ou com linguagem ou temática própria.
Mas talvez tenha marcado a minha vida e a de muitos outros que cresceram nos anos 80 pelo mundo, mais do que qualquer outro diretor.
Afinal, ele ocupava as sessões da tarde e fez dois filmes que atingiram em cheio o imaginário adolescente: O clube dos cinco (The breakfast club) e Curtindo a vida adoidado (Ferris Bueller day off). Este revi recentemente e é mesmo um filmão. Não apenas os dois  mas também Mulher nota 1000 (Weid Science) além de ser o roteirista e criador da família de Ferias frustradas (National Lampoom´s vacation) e produtor de Alguém Muito Especial (Some kind of wonderful) e Esqueceram de Mim (Home alone).

Seus filmes eram comerciais, tinham finais mudados por causa da vontade do estúdio e testes de tela e eram convencionais. Mas transmitiam um grande carinho pelos personagens e pelo ofício de contar histórias e assim dá para ver que ele conseguiu marcar uma identidade.  Em seus dois melhores momentos citados acima criou filmes que vão perdurar décadas. Talvez seja um dos grandes “culpados” por certas idealizações românticas que eu e outros dessa geração podemos ter, e por uma idealização do mundo das high schools, dos subúrbios brancos, tão brancos e americanos. Veja, sofremos muito sendo criados pela Xuxa, entre a geração Vila Sésamo e a do Castelo Rá-tim-bum, pegamos o auge do lixo…

Mas voltando da digressão, acho que John Hughes ensina que pode haver sinceridade e identidade nesse cinema extremamente comercial. Ensina isso nos seus melhores momentos e nos seus piores, pela falta disso.

Resumindo: Hughes fez mais parte das nossas vidas do que parece, do que talvez gostaríamos, e certamente do que admitimos…

Abaixo, o começo de Curtindo a vida adoidado, da maneira que “deve” ser. Dubladão com a marca d’água da Globo, no melhor estilo Sessão da Tarde.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “A morte do rei da Sessão da Tarde

  1. Pingback: O Rei da Sessão da Tarde « Feijoada Nacional

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s